www.klepsidra.net

Egito: o Berço do Ideal Imperial

Danilo José Figueiredo
danilo@klepsidra.net
Mestrando em História Social/USP

download


Geografia e Climatologia
Período Formativo
Período Pré-Dinástico
Reino Antigo
Guerras Divinas
1º Período Intermediário
Reino Médio
2º Período Intermediário
Novo Reino
Supremacia do Sol
Período de Caos
Período Ptolomaico
Disseminação do Ideal Imperial
Outros pontos
Bibliografia

<- O Segundo Período Intermediário

         9 – O Novo Reino:

 

         Em 1567, Ahmés, um Faraó de Tebas, conseguiu tomar Avaris e impor uma derrota definitiva aos Hicsos. O Faraó voltou a Tebas cumulado de glórias e, por seu feito heróico, data de seu governo o estabelecimento de uma nova Dinastia: a XVIII. Estava iniciado o período Clássico da História Egípcia: o Novo Império.


        
Antes de mais nada, só a título de elucidação, é bom que os leitores compreendam o que significa delimitar um período como sendo Clássico. Clássico é o período da História de uma civilização em que ela não só atinge o apogeu de suas técnicas artísticas, militares, políticas, tecnológicas e sociais, mas, especialmente, o período que melhor caracteriza aquela civilização como um todo, ou seja, o “período modelo” daquela civilização. No caso do Egito, embora a figura mais conhecida de sua História seja Cleópatra (que, como veremos, foi sua última governante, tendo vivido no período anterior à conquista Romana da região) e ainda embora as construções Egípcias que mais povoam o imaginário popular ao redor do globo sejam as Pirâmides (como vimos, construídas no Antigo Império); mesmo assim, o período que melhor compreende o que foi a civilização Egípcia é aquele conhecido como Novo Império.


        
Além de ser já considerado como o Período Clássico da História do Egito, o Novo Império será também o eixo central desta obra, pois é durante este período que se constrói, consolida e, no final dele, desmorona aquilo que foi o primeiro Império Internacional do Mundo: O Império Egípcio.


        
Pois bem, comecemos pela recuperação da narração da História da reunificação do Egito perpetrada pela XVII Dinastia de Tebas e concluída por Ahmés (em Grego o nome deste Faraó é Ahmosis e como as principais fontes acerca do Novo Império são Gregas, muitas vezes será visto seu nome grafado desta maneira, no entanto, neste texto optei pela grafia que mais se assemelha à original Egípcia, retirada do Copta, como já mencionei na Introdução). Este Faraó é um daqueles homens legendários, sobre o qual não se sabe muito, aliás, não se sabe nem se quer se existiu realmente ou se não passa de um Faraó mítico criado para explicar e marcar uma transição entre um período de caos e um novo período de ordem. Em todos os sentidos, Ahmés está para o Egito assim como Narmer, ou seja, um ancestral fundador cujo governo é envolto em lendas e sombras e cujo grande feito parece ter sido apenas a unificação, ou reunificação, no caso de Ahmés.


        
O processo de guerras contínuas por quase cem anos que culminou com a derrota dos Hicsos deu ao Egito não apenas a restauração da soberania sobre seu território e as inovações trazidas pelos invasores (entre elas se contam diversos tipos de frutas, o gado zebu, alguns legumes, a metalurgia do bronze (e as conseqüentes armas desse material), roldanas e guindastes há muito utilizados na Mesopotâmia, o gado eqüino, os carros de guerra e a disseminação do uso do arco e flecha, até então muito restrito), mas, especialmente, uma inovação criada no Egito e que viria a ser a responsável, juntamente com as novas técnicas militares introduzidas pelos Hicsos, pela viabilização da construção do Império Egípcio nos próximos anos. Essa inovação foi a criação de um exército nacional.


Pela primeira vez o Egito tinha um corpo militar fixo e grande o suficiente para realizar campanhas militares constantes em todas as partes. É verdade que desde o Antigo Império o uso de mercenários estrangeiros já era disseminado no Egito, no entanto, estes serviam apenas como uma espécie de guarda palaciana, nunca sendo usados em ataques a países estrangeiros. O novo exército nacional era dividido em diversos pelotões chefiados por comandantes e generais, todos submetidos à autoridade suprema do Faraó que, devido aos conflitos geradores da nova ordem, emergira, mais do que nunca, como um grande líder militar. Os soldados, por sua vez, eram pagos em ouro e trigo para não terem que se dedicar a outra coisa senão o serviço militar, sendo assim, em qualquer época do ano o Egito dispunha de um contingente armado e, sobretudo, bem treinado, para realizar campanhas onde quer que fosse.


O treinamento militar profissional também passou a existir no Egito. Antes, o grosso dos contingentes militares era composto de aldeões livres do trabalho pela cheia do Nilo. Agora, com a profissionalização do exército, os soldados que não estavam combatendo estavam em quartéis sendo treinados e, com isso, melhorando suas técnicas militares. O uso de bigas e do arco e flecha modificou completamente o modo de combater dos Egípcios. Se antes muitos homens perdiam as vidas em combates corpo-a-corpo, agora os combates, centrados em disparos à distância e em ataques com lanças realizados por lanceiros em cima das bigas reduziam muito as perdas Egípcias. Com a conquista das primeiras regiões (novamente a Núbia e a Líbia); novo contingente de mercenários foi introduzido no contexto do Egito, estes, destinados à infantaria e, sendo assim, a uma morte mais provável.


Já que estamos falando das técnicas militares básicas, falemos um pouco mais sobre as bigas. Estes carros de guerra foram amplamente utilizados no Egito e em muitos países do Crescente Fértil. Posteriormente, Gregos e Romanos ainda fariam uso deles, mas com algumas incorporações, como sua transformação em quadrigas (puxadas por quatro cavalos ao invés de dois) e a adaptação de facas nas extremidades das rodas de modo a que cortassem as pernas das tropas de infantaria que ousassem se interpor ao seu lado. Porém as bigas Egípcias ainda não contavam com tais adendos, eram meros carros de guerra puxados por dois cavalos. No carro, em si, iam de três a quatro homens, cada qual eximiamente treinado em sua função, com efeito, a biga estava para o Novo Império do Egito assim como o cavalo estava para a Nobreza feudal da Idade Média. Os ocupantes do carro de guerra eram:


1 – O Condutor: Geralmente o mais velho e experiente dos ocupantes da biga. Tinha que estar apto a conduzir ambos os cavalos à mesma velocidade para evitar acidentes, inclusive desviando prontamente de desníveis no terreno que poderiam fazer a biga capotar, além de manobrar de modo a buscar os melhores ângulos para os combatentes que com ele estavam. O condutor não portava quaisquer armas e era geralmente o único da biga a utilizar armadura (uma vez que se todos os ocupantes vestissem armaduras, o peso seria muito grande e a velocidade diminuiria). Na realidade, o uso de armadura pelo condutor era indispensável, pois, caso ele fosse atingido e morto, todo o conjunto estaria comprometido, ele era a peça chave. Em geral, os Faraós eram treinados desde a infância para esta função, se bem que alguns tenham preferido ocupar outras.


2 – O Arqueiro: Outra função indispensável das bigas. O arqueiro era alguém com muita desenvoltura com o arco e flecha, geralmente o responsável pelo maior número de mortos entre as fileiras inimigas. Justamente por esse caráter decisivo na batalha, muito Faraós optaram por desempenhar esta função em seus respectivos carros de guerra. O arqueiro geralmente se posicionava entre os outros três ocupantes da biga e tanto por não ter aonde se segurar, quanto por ter que utilizar ambas as mãos para operar o arco e as flechas, mantinha-se sobre o carro porque era amarrado a ele. Além de um lugar no piso da biga para que seus pés fossem encaixados, havia também uma corda que o prendia pela cintura à própria estrutura do carro. Com efeito, o arqueiro era o ocupante que tinha menos chances de cair da biga. Em geral suas flechas eram disparadas para trás, tanto por uma questão de facilidade, quanto para evitar acidentes, como acertar um dos companheiros ou um dos cavalos.


3 – O Lanceiro: Num dos lados da biga se localizava o lanceiro. Algumas vezes este indivíduo também era amarrado à biga, mas, em geral, não. Além da lança, o lanceiro geralmente possuía um kopesh na cintura para a eventualidade alguém se aproximar demais e de ele próprio vir a cair, ficando no meio do campo de batalha. Sua função primordial era impedir que inimigos se aproximassem demasiadamente da biga, o que poderia não só assustar os cavalos, como também ferir o condutor ou mesmo tombar o carro. Quando ocorria de o arqueiro vir a perecer, às vezes a biga era utilizada para realizar rápidas escaramuças nos flancos da infantaria inimiga, sendo assim, o lanceiro se fazia ainda mais útil.


4 – O Ajudante: O quarto ocupante da biga, quando havia, era uma espécie de coringa. Em geral um jovem; ainda em treinamento; que estava indo junto com o exército para adquirir experiência prática nos combates, o ajudante podia desempenhar qualquer uma das funções, exceto a do arqueiro. Sendo assim se o condutor perecesse, ele deveria estar pronto para assumir as rédeas dos cavalos, o que seria a diferença entre a vida e a morte de todos os tripulantes. Se o lanceiro perecesse, ele deveria tomar seu lugar. Caso nenhum infortúnio acontecesse, o lanceiro deveria servir de flechas o arqueiro, o que aumentava a taxa de disparos dele, ou ainda, caso surgisse a necessidade, atuar como um segundo lanceiro. Por ser uma espécie de faz tudo, ajudante não era amarrado à biga e, por isso, estava muito sujeito a cair. Justamente por estar sujeito a quedas, ele também levava um kopesh à cinta.


Agora que já compreendemos o funcionamento das bigas, resta-nos ver algumas das novas tecnologias militares que foram introduzidas no Egito do Novo Império. Por exemplo, além do kopesh que já era usado há muito tempo e que passaram a ser feitos de bronze, espadas curtas, também de bronze, foram introduzidas no Vale do Nilo. O uso de escudos e armaduras, bem como o de capacetes, também passou a ser generalizado entre a infantaria, contudo, devido à necessidade da importação do estanho para se criar a liga estanho-cobre, que resulta no bronze, este se fazia caro, o que fazia com que a maioria das armaduras, escudos e capacetes fossem feitas de cobre, sendo apenas as armas feitas de bronze. O cobre é menos resistente que o bronze, por isso, mais sujeito a corte e amassos, mesmo assim, é superior à madeira, também cara, anteriormente utilizada na confecção dos escudos.


A profissionalização dos exércitos se deu em todos os âmbitos, por exemplo, havia pelotões de homens (e também mulheres e crianças) que acompanhavam as tropas para carregar pertences, levar água e comida e também cozinhar. Com efeito, o Egito desenvolveu uma grande logística militar, o que propiciava a seus exércitos irem muito mais longe e realizarem feitos muito mais grandiosos do que antes.


 

9.1 – A XVIII Dinastia:

 

Sem exageros, pode-se dizer que a XVIII Dinastia é a mais conhecida dentre todas as Dinastias Egípcias. Isso se deve ao fato de a única tumba Faraônica a resistir intacta até os dias de hoje ter sido a tumba de Tutankhamon, o jovem Faraó desta Dinastia. A partir do estudo dos objetos encontrados nela foi possível reconstituir com quase exatidão o modo de vida Faraônico e, por conseguinte, a História Política do Egito no Novo império, em especial, na XVIII Dinastia, mas falaremos de Tutankhamon num outro item, agora a principal preocupação deve ser contar a História da XVIII Dinastia e de seus feitos.


Como foi dito, Ahmés foi uma espécie de Faraó mítico, cuja existência é provável, mas os feitos não são comprovados parecendo mais uma espécie de herói criado como marco da transição do caos para a ordem novamente. Se acreditarmos naquilo que é atribuído ao seu governo, veremos que ele não só impôs a derrota definitiva aos Hicsos, mas também retomou as expedições à Núbia, submetendo rapidamente as regiões (entre a primeira e a terceira cataratas, mas não além) outrora dominadas. Além disso, Ahmés também teria reaberto a rota para o Sinai e construído um posto de avançado de defesa em Sharuen, na Palestina.


Ahmés foi sucedido por seu filho Amenófis I (em Egípcio a grafia mais correta seria Amenhotep I, no entanto, como se trata de um nome consagrado e como a grafia Egípcia é muito diferente da consagrada, preferi manter a forma Grega). Este Faraó procurou organizar a política do Reino que herdara do pai, sem, contudo, ter operado grandes conquistas militares, pode ser apontado, no entanto, como o consolidador da XVIII Dinastia fornecendo a ela fortes bases políticas para que pudesse agir.


Amenófis I foi sucedido por seu filho, Tutmés I (que a nomenclatura Grega imortalizou como Tutmósis I), este foi, com efeito, o iniciador do Império Egípcio.


Tutmés I partiu para uma grande expedição rumo à Ásia. Com efeito, as primeiras marchas dos Povos do Mar não haviam criado problemas apenas para o Egito, mas todo o Oriente Próximo havia sentido o peso da chegada de novos povos. Hititas se haviam estabelecido na Capadócia (região oriental da Anatólia), formando o Reino de Hatti, Mitanitas se haviam estabelecido na Mesopotâmia, especialmente a leste do Tigre, mas também influenciando a região entre Rios como um todo. Foi contra esses povos que Tutmés I combateu. Por vários meses ele impôs severas derrotas às cidades da Palestina e ao Mitani chegando a erigir uma estela Egípcia na margem ocidental do Eufrates.


Contudo, a expedição de Tutmés I não constituiu um esforço de conquista, mas, tão somente mais uma expedição de saque, como as tantas realizadas pelos Faraós do passado, só que agora o Egito havia atingido lugares jamais visitados antes, tanto a sul quanto a oriente.


Tutmés I morreu e, após sua morte, foi o primeiro Faraó a ser enterrado no Vale dos Reis, nas colinas a oeste de Tebas. Depois dele, praticamente todos os Faraós do Novo Império viriam a ser enterrados também no Vale dos Reis. Era mais uma das iniciativas tomadas por Tutmés I, o primeiro grande Faraó do Novo Império.


Tutmés I havia, seguindo o costume iniciado no Médio Império, associado um filho seu ao trono, porém, antes que seu pai, o filho faleceu. Tutmés I, não teve nem sequer tempo de escolher aquele que seria o seu novo “herdeiro necessário”, já estava velho e também faleceu, sendo assim, seu filho, Tutmés II, herdou o trono. Ele não era filho da Grande Mulher do Rei, mas, ao casar-se com sua irmã Hatshepsut, que o era, legitimou-se como herdeiro legal ao trono. É curioso notar no Novo Império a força do Clero de Amon havia se tornado tal que ele era quem arbitrava as sucessões Reais no caso de controvérsia, sendo assim, Tutmés II só pôde ser Faraó porque os Sacerdotes de Amon assim o desejaram.


O governo de Tutmés II foi tão efêmero que nem sequer foi digno de muitas notas, além das tradicionais ampliações no Templo de Karnak, o Faraó nada realizou de importante. Como sua morte foi prematura, o Faraó ainda não tinha tido tempo de escolher um “herdeiro necessário”, sendo assim, seu filho mais velho (filho dele com uma concubina) foi legitimado por um oráculo de Amon como sendo seu herdeiro, casando-se com uma das filhas de Tutmés II com Hatshepsut.


Como o novo Faraó era ainda uma criança, a Grande Mulher de Tutmés II, seu pai, governou como regente. Hatshepsut era uma mulher de caráter extraordinário. Parece ter tido tanta força política quanto carisma, além de saber controlar habilmente o Clero de Amon, sendo assim, num dado momento, conseguiu usurpar o trono de Tutmés III e se tornar, com direito a todas as honras, o Faraó do Egito. Ao contrário do que viria a ocorrer no Período Ptolomaico; as mulheres não podiam ocupar o cargo de Faraó. Não eram nem sequer Rainhas, eram, no máximo, a Grande Mulher do Rei. Por isso, a ascensão ao trono de Hatshepsut foi um fenômeno tão importante dentro do contexto político nacional.


Ao que parece, Hatshepsut conseguiu convencer o Clero de Amon (ou parte dele) a ver nela a verdadeira encarnação de Amon-Ra (como veremos a seguir, o atual Deus Dinástico não era mais Hórus, nem mesmo Ra-Horemkhat, mas Amon-Ra) e, sendo assim, a herdeira do trono. Ela tomou para si o cajado, o mangual, as coroas e até mesmo a barba Reais e, sendo assim, se tornou o novo Faraó.


Como mulher, a Rainha não se arriscou a dar continuidade à expansão militar rumo à Ásia, preferiu se ater a embelezar o templo de Karnak (colocando nele os mais altos obeliscos que viria a ter) e a incentivar o comércio. Em seu governo o Egito voltou a comercializar com o Reino de Punt, trazendo de lá diversos animais e produtos exóticos.



Esta simulação de computador mostra como seria provavelmente o palácio do Deir el-Bahari


No campo da construção, assim como Mentuhotep II fizera na XI Dinastia, ela decidiu construir um suntuoso túmulo-palácio escavado nas rochas do Deir el-Bahari, este, porém, muito mais amplo e bem acabado do que seu parceiro, tendo inclusive uma pirâmide externa, uma das últimas a ser construídas no Egito. O executor dessa obra foi também o homem forte de seu governo. Seu nome era Senmut e, possivelmente tratou-se de um amante da Rainha. Com efeito, Senmut fora nomeado por Hatshepsut como sendo o tutor e guardião de Neferurá, sua filha, que a Rainha queria que ocupasse o trono após sua morte.


É certo que o fato de uma mulher (mesmo se fazendo passar por homem) ocupar o trono do Egito deve ter desagradado muito os Sacerdotes mais ortodoxos de Amon, afinal, isso ia contra a ordem estabelecida e, sendo assim, contra a Maat. Porém, o Reinado de Hatshepsut era perfeitamente aceitável, o que não era aceitável era a idéia da Rainha de garantir que sua filha assumisse o trono após sua morte. Por isso, tão logo Hatshepsut morreu, o Clero de Amon organizou uma conspiração palaciana que ajudou Tutmés III a chegar ao trono.


Para chegar ao trono Tutmés III, que havia sido enquanto criança legitimado pelo Clero de Amon, precisou organizar o extermínio do séqüito de Hatshepsut, sendo assim, Senmut, o Imhotep da Rainha, foi assassinado e, logo em seguida, Neferurá também desapareceu da História, pode ter sido assassinada ou enviada para servir como Sacerdotisa em algum templo de menor relevância.


Apenas 75 dias após assumir o trono, Tutmés III partiu em campanha rumo a Ásia.


 

9.1.1 – As Raízes do Império Egípcio:

 

Como veremos no item 10, sobre a supremacia do Sol nas guerras Divinas, não é possível entender a formação do Império Egípcio sem se entender a participação de Amon-Ra nela. No entanto, neste item só será exposto o elemento humano desse fenômeno, ficando o elemento Divino para o item 10 por questão de manutenção da lógica na estrutura do texto. Espero que os leitores compreendam.


O governo de Hatshepsut, bem como o de seu marido Tutmés II fez com que os grandes avanços militares de Ahmés, bem como os resultados da campanha de Tutmés I à Ásia se encontrassem agora quase desfeitos. Tutmés III partiu para a primeira de suas 17 (segundo alguns Historiadores, não seriam 17, mas 14) campanhas, realizadas em 16 anos de governo. Seu primeiro passo foi expandir ainda mais os domínios na Núbia, construindo e reformando as fortalezas ao longo do Nilo. Com efeito, sob este Faraó o Egito atingiu a quinta catarata do Nilo, um lugar antes nunca sonhado em ser atingido. No forte Napata (fundado por este Faraó), no meio do caminho entre a quarta e a quinta (limite máximo da expansão Egípcia na Núbia) cataratas, foi estabelecida a capital da Província Egípcia da Núbia. O lugar passaria a ser administrado por um Vice-Rei e concederia a base financeira de que o Egito necessitaria para se expandir rumo a Ásia.


Na Palestina, Tutmés III submeteu diversos governantes ao seu poder estabelecendo guarnições militares nos pontos em que julgava de maior importância. Marchou então contra o Mitani impondo severa derrota a este Reino, o que o fez recuar para os limites geográficos impostos pelo rio Eufrates.


Depois da vitória sobre o Mitani, Tutmés recebeu embaixadas de diversos Reinos, tais como Hatti, Creta, Biblos, Reinos Mesopotâmicos e o próprio Mitani. Todos traziam presentes ao grande conquistador. Presentes esses que foram tratados e registrados como tributos, o que contribuiu para a atribuição a Tutmés III do título de “o Grande”. Talvez o primeiro Monarca da História a fazer jus ao título.


No âmbito interno, Tutmés III estabeleceu que o Egito deveria ter duas capitais: uma religiosa e uma política. Sendo assim, Mênfis, a lendária cidade fundada por Narmer (possivelmente o Menés dos Egípcios) voltou a ser uma capital desde o final do Antigo Império. Por sua vez, Tebas nunca perdeu a glória de ser a legitimadora Real, local onde os Faraós eram coroados e onde obrigatoriamente deveriam realizar obras de ampliação, restauração e embelezamento do Templo de Karnak, dedicado a Amon, seu Deus invisível. O principal ato de Tutmés III em relação à política interna (e também externa) foi a captura dos herdeiros dos países que conquistara, com efeito, o Faraó os trazia para o Egito onde ele eram educados no Kap, uma espécie de escola secreta da qual falaremos mais tarde. Além de revitalizar Mênfis, Tutmés III ainda conseguiu associar seu filho ao trono, sendo assim, após sua morte, a sucessão foi tranqüila. Ao contrário da sua, que havia sido turbulenta e retardada pelas pretensões de Hatshepsut.


Aliás, os últimos anos de seu governo Tutmés III dedicou à destruição da memória de Hatshepsut. Por sua ordem a maior parte dos monumentos por ela erigidos e das inscrições que continham seu nome foram destruídas, foi a tentativa de Tutmés III de, ao menos frente à História, receber de volta os anos de governo que lhe haviam sido tolhidos pelas manobras da Grande Mulher de seu pai. Hoje em dia só se sabe da existência e dos feitos de Hatshepsut por causa das pinturas de seu túmulo (que foi deixado em paz por Tutmés III) e por causa da inscrição contendo seu nome no topo dos obeliscos por ela erigidos no Templo de Karnak (é que tais obeliscos eram tão altos que, talvez por preguiça, talvez por acharem que ninguém os veria, talvez até por desconhecimento de tais inscrições em seus topos, foram deixados em paz pelos executores da ordem de Tutmés III).


Amenófis II, filho de Tutmés III, ascendeu ao trono logo depois da morte de seu pai. Como ele, realizou diversas campanhas militares, seus feitos, é claro, não podem ser comparados aos do pai que já havia conquistado boa parte daquilo que se havia para conquistar, no entanto, ele manteve os limites do Império Asiático e Núbio e conseguiu, apenas simbolicamente (para mostrar que havia atingido um local mais distante do que aquele atingido por seu pai), transpor o Eufrates, erigindo uma estela em sua margem oriental.


Da mesma forma que Tutmés III, Amenófis II também assegurou uma transição pacífica de seu governo para o de seu filho, associando-o ao trono. Sendo assim, Tutmés IV pôde tomar posse sem maiores complicações.


O governo de Tutmés IV foi marcado por uma única transformação no panorama político internacional: o Reino de Mitani, antes inimigo do Egito, agora se aliara a este por livre e espontânea vontade. Na verdade, os soberanos de Wassuganni (capital do Mitani) haviam concluído que de maneira alguma conseguiriam se defender contra os ataques de dois adversários poderosos: Egito e Hatti, sendo assim; tão logo começaram a ser atacados por Hatti (o país dos Hititas), que visava expandir seus domínios sem, por hora, se interpor com os poderosos Egípcios; propuseram aliança ao Egito enviando-lhes princesas para servirem de Esposas Secundárias aos Faraós.


O filho de Tutmés IV, Amenófis III, foi um Faraó padrão, realizou algumas campanhas militares (se bem que poucas, o que fez com que o Clero de Amon, principal beneficiário dos botins de guerra, se tornasse um pouco contrário ao Faraó), investiu no comércio, erigiu monumentos e se fez ser reconhecido como a verdadeira Divindade que era. Aliás, foi justamente no campo religioso que se deu a maior realização do governo de Amenófis III.


Para começar, devemos ter em saber que este Faraó tinha como característica principal o autoritarismo, tanto que foi o primeiro Faraó de que se tem notícia a se casar com uma mulher do povo e eleva-la à condição de Grande Mulher do Rei. Sua notificação ao Clero de Amon sobre seu casamento em nada legitimador do governo (que já havia sido legitimado pela sua associação ao trono, perpetrada por seu pai) foi simples, objetiva e com um forte tom autoritário. Ele enviou ao Sumo Sacerdote de Amon, em Karnak, um escaravelho (escaravelhos são insetos, mas, no caso do Egito, também eram utilizadas réplicas desses insetos feitas em pedra como forma de correspondência entre pessoas abastadas, por exemplo, o Faraó) com a seguinte inscrição na base: “Viva Tiye, a Grande Mulher do Rei. O nome de seu pai é Yuya. O nome de sua mãe é Tuya. Ela é esposa de um poderoso Faraó”. O recado era claro: gostassem ou não, ele iria se casar com aquela mulher e fazer dela sua Grande Mulher, pois, tinha poder para isso.


Ao que parece, um forte conflito religioso vinha se desenrolando desde o governo de Tutmés IV. As conquistas Asiáticas parecem ter trazido aos Egípcios uma nova forma de ver o Sol, sendo assim, começou a se intensificar um culto há muito abandonado na região: o culto ao Sol em si, ou seja, ao disco solar que brilha nos céus. Se o leitor se recordar, no item sobre a mitologia Egípcia eu mencionei que o Sol nascera de dentro de uma flor de lótus como sendo Aton, mas que se tornara Ra ao caminhar sobre a Colina Primeva. Pois bem, Aton era o nome do disco solar, era um Deus antigo e, como tal, nunca totalmente abandonado, apenas, canibalizado há muito por Ra.


Os cultos a Ra se davam em recintos abertos, sem teto, para que as pessoas pudessem contemplar o Sol em toda a sua grandeza. Com certeza tais práticas não contentaram os Sacerdotes de Amon que, a esta altura já eram os verdadeiros senhores do Egito, sendo o Faraó apenas o chefe político-militar, enquanto eles faziam o papel do grande conselho de impunha sua vontade ao governante.


Para acalmar os ânimos já muito acirrados por sua decisão de se casar com Tiye, Amenófis III aceitou se legitimar ao trono casando-se com uma Princesa Real, sua própria filha, Sit-Amon. Contudo, a medida não parece ter surtido o efeito desejado, o Clero de Amon continuou descontente com o Faraó e até pode ter encarado sua atitude de se casar com a própria filha como sendo um desaforo, uma gozação para mostrar que ele próprio fizera da menina uma Princesa Real e agora a desposara para se legitimar por sua própria criação e não pela tradição.


Amenófis III, que tinha o autoritarismo como marca registrada, não aceitou a continuada repudia do Clero de Amon às suas manobras, por isso, resolveu mostrar-se mais poderoso do que ele.


Iniciou uma espécie de reforma religiosa tendo como Mênfis a cidade principal de sua ação. Para ele, Aton era o principal Deus do Egito e guardava dentro de si as essências de Ra, Ptah e Amon. Sendo assim ele era a um só tempo o Criador, o Sol e o Invisível e Onipresente. Seu filho e “herdeiro necessário”, Tutmés, foi escolhido como Sumo Sacerdote de Mênfis e responsável pelo culto à nova Divindade Solar. Enquanto isso, para humilhar os Sacerdotes de Amon, Amenófis III erigiu um enorme templo na margem ocidental de Tebas. Este templo não era em homenagem a outro Deus senão ele próprio, o Faraó.


Do fabuloso templo de Amenófis III hoje nos restam apenas duas estátuas colossais: os Colossos de Memnon, duas estátuas do Faraó sentado em seu trono que adornavam a entrada de seu magnífico templo.


Amenófis III Reinou por 43 anos (37 para alguns), porém, quando estava próximo da morte, já muito velho e doente, teve o desgosto de ver seu “herdeiro necessário” falecer. Amenófis III pode ter interpretado tal acontecimento como um sinal de reprovação de Amon em relação a seus atos, por isso, no final de seu governo aproximou-se novamente do Clero de Tebas, reformando o Templo de Karnak, ampliando o salão principal do Templo (sempre que mencionar Templo com letra maiúscula, estarei me referindo a Karnak, visto que ele foi o principal templo do Egito Antigo), construindo pilonos em sua frente e iniciando a construção de novas portas para o recinto principal.


Antes de morrer, Amenófis III se viu obrigado a associar ao trono um filho por quem aparentemente não nutria afeição (ao menos é o que nos diz o Egiptólogo Americano Bob Brier): Amenófis, que viria a se tornar o Faraó Amenófis IV; aquele que mudaria a História do Egito e, quiçá, do mundo posterior a ele.


 

9.2 – O Complexo Período de Amarna:

        

         Para Barry Kemp, Egiptólogo de Cambridge: “No momento em que alguém decide escrever sobre essas figuras [de Amarna], começa a escrever ficção”.


      
A meu ver, esta afirmação não é válida apenas para o Período da Amarna, ou mesmo para a História Egípcia, mas sim, para qualquer evento passado a ser estudado; mesmo que seja de um passado recente como o dia de ontem, ou horas atrás. O passado nada mais é do que uma construção e, como tal, uma ficção. É óbvio que, diferentemente do autor ficcional, o Historiador tem uma obrigação profissional para com a verdade. No entanto, também é verdade que a verdade não pode ser alcançada, afinal, não passa de um ponto de vista. Porém, a busca da verdade implica em seriedade e, sendo assim, mesmo que o Historiador vá construir um passado hipotético ele não pode faze-lo pautando-se unicamente em sua imaginação, mas, também, em documentos Históricos. Platão defendia que a abstração é a peça fundamental para as conclusões a que se pode chegar a respeito de algo. Concordo com ele, no entanto, faço uma ressalva. Penso que em termos de História a abstração deve ser feita em cima dos documentos e não livremente, ou seja, não a abstração pela abstração. É isso que, a meu ver, diferencia o trabalho do Historiador daquele realizado pelo Filósofo: ambos são Cientistas Humanos, no entanto, o primeiro tem um compromisso com a verdade (mesmo que nunca a atinja) e o segundo apenas com a abstração em si.


        
Depois dessa digressão que deve ter situado o leitor melhor no contexto daquilo que está lendo, ou seja, uma construção de alguém que teve acesso a alguns documentos e a alguma bibliografia, além de estar minimamente interado com o trabalho da profissão de Historiador, mas, ainda assim, uma construção. É claro que a farei, assim como venho fazendo em todo o texto, segundo uma busca da verdade, no entanto, estou consciente de que não poderei alcança-la e, mesmo que pudesse, não o saberia, pois, infelizmente (ou felizmente) a máquina do tempo ainda não foi inventada, vamos à descrição do Período de Amarna em si:


        
Após a morte de Amenófis III, seu filho, Amenófis IV, tomou posse como novo Faraó. Por essa época o Egito vivia ainda dos frutos das conquistas militares de Tutmés III e Amenófis II. O novo Faraó que parece ter ascendido ao trono ainda muito jovem, com cerca de 17 ou talvez 20 anos, de início, não tomou nenhuma atitude drástica. Pelo contrário, nos quatro primeiros anos de seu governo, esforçou-se para ser um Faraó o mais “normal” possível.


        
Amenófis IV terminou os portais do Templo de Karnak que haviam sido iniciados por seu pai e depois disso, iniciou ele próprio as suas adições àquele Templo. Porém, inexplicavelmente, num dado momento ele ordenou que as obras fossem interrompidas, reuniu seus seguidores mais próximos e leais, convocou uma grande massa de trabalhadores ao longo de todo o Egito e se mudou para um local ermo e distante de tudo, a meio caminho em Tebas e Mênfis. Um lugar que ele chamou de Akhetaton.


        
Não há razões aparentes para tal mudança repentina no comportamento de Amenófis IV, por isso, diversas teorias surgem a esse respeito. As mais plausíveis dão conta de que o Clero de Amon, depois de dois governos de relativa paz (sendo que o de Amenófis III durara cerca de 40 anos) começava a pressionar o Faraó para que partisse em expedições militares. Amenófis IV, contudo, não tinha nem sequer as características físicas de um Faraó-Guerreiro, nem mesmo a fé em Amon que seu ancestral Tutmés III demonstrara em suas campanhas, por isso, ao se recusar a partir pode ter gerado sérios conflitos com o poderoso Clero de Amon, motivo que o teria feito tomar tais decisões radicais.


        
Mas, para que possamos entender melhor esse Faraó, estudemos sua vida.

 


        
9.2.1 – Akhenaton:

 

         Ainda criança, Amenófis IV presenciou seu pai romper com o Clero de Amon em detrimento de um novo culto a um Deus Solar: Aton. O culto, sediado em Mênfis, longe do poder do Clero de Amon, se tornou um pesadelo para estes Sacerdotes. No fim da vida, porém, o pai de Amenófis IV reatou seus elos rompidos e voltou a favorecer Amon. No entanto, para alguém que crescera tendo uma religião como certa, especialmente numa época como o Egito Antigo, mudar de crença não era nada simples.


        
Além disso, segundo alguns estudiosos, Amenófis IV não estaria sendo preparado para governar, não seria o “herdeiro necessário” de seu pai, mas apenas alguém que fora indicado para governar de improviso, como uma peça de substituição. Como a múmia deste Faraó nunca foi encontrada, só podemos supor sua aparência devido às suas representações artísticas. No entanto, como já foi mencionado, a arte Egípcia não tinha o costume de retratar as coisas tais como elas pareciam ser, mas, segundo Platão, como elas realmente eram. Sendo assim, seria impossível determinar a real aparência de um Faraó através de uma estátua ou mesmo de uma pintura sua. Porém, o rompimento de Amenófis IV com o Clero de Amon em Tebas criou não só uma revolução política, mas também uma revolução religiosa e, principalmente, artística.



Estátua de Akhenaton
         A partir do quinto ano de seu governo, Amenófis IV (cujo nome se referia a Amon) trocou seu nome para Akhenaton (Benéfico a Aton) e mudou-se para uma nova localidade, onde iniciou a construção de uma nova capital para o Egito. Antes, porém, talvez como forma de humilhar os Sacerdotes de Amon, o Faraó celebrou seu Festival de Sed.


         O Festival de Sed era um acontecimento raro no Egito. Ocorria somente quando um Faraó conseguia Reinar por 30 anos, era um jubileu especial onde o Faraó desfilava com as coroas do Alto e do Baixo Egito e depois, trancado em salas secretas de diversos templos, reverenciava cada uma das Divindades Egípcias. O pai de Akhenaton, Amenófis III havia celebrado o seu, segundo as lendas, Pepi II teria celebrado três Festivais de Sed (um aos 30, um aos 60 e outro aos 90 anos de governo), mas, ainda assim, este era um acontecimento especial na História do Egito. Porém, Akhenaton celebrou-o no quarto ano de seu governo.


        
A celebração do Festival de Sed de Akhenaton não foi diferente apenas no fato de ocorrer muito antes do que deveria (se é que viria a ocorrer), mas também em sua configuração principal. Akhenaton não reverenciou nenhuma estátua Divina, mas a sua própria. Algo estava acontecendo no Egito, mas o que?


        
Bob Brier, Egiptólogo com formação em Medicina (há que se saber que o Egiptólogo não é necessariamente um Arqueólogo, apenas mais comumente; para ser considerado um Egiptólogo o indivíduo deve ser um Cientista capaz de oferecer alguma contribuição científica para o esclarecimento da História do Egito Antigo, por isso existem Médicos, Historiadores, Geógrafos, Geólogos, Lingüistas, Arqueólogos, Dentistas... que ostentam tal título), em seu livro “O Assassinato de Tutancamon”, sustenta que Akhenaton deve ter sido preterido e até mesmo rejeitado por seu pai por sofrer de uma doença congênita causadora de deformações físicas. Essa teoria não é nova, no entanto, esse Egiptólogo encontrou uma nova doença mais plausível para Akhenaton. Vejamos:


        
As estátuas e representações de Akhenaton retratam-no como sendo um indivíduo de crânio e dedos alongados, tórax estreito, quadris largos e, por vezes, hermafrodita. As explicações para um retrato tão bizarro o indivíduo que deveria ser (e era) um Deus Vivo são muitas, mas nenhuma é muito clara. Lembremos que até então os Faraó, independentemente da aparência real que tivessem, eram retratados como sendo pessoas fortes e viris, de traços perfeitos e equilibrados, sem demonstrar quaisquer emoções, como um Deus deve ser.


        
Independentemente do que tenha acontecido, uma coisa é certa: as modificações artísticas foram ordenadas por Akhenaton, pois só o Faraó teria poderes para romper com mais de 1500 anos de tradições estilísticas. Resta saber por quê?



Baixo-relevo representando
Akhenaton, Nefertiti e Aton

         As teorias mais antigas, em geral convergiam para a indicação de que Akhenaton seria portador da Síndrome de Froelich, uma doença causada por uma disfunção na hipófise. Esta síndrome, contudo, causa atrofia dos órgãos genitais o que torna o indivíduo invariavelmente estéril. No entanto, Akhenaton, que fora casado com a célebre Nefertiti (da qual falaremos mais adiante) teve, só com ela, seis filhas, além de seus eventuais filhos com Esposas Secundárias.


    É claro, no entanto, que se pode imaginar que as filhas de Akhenaton não fossem dele realmente, mas geradas por homens contratados para dar um herdeiro ao Faraó. No entanto, as cenas familiares nas quais o governante aparece com suas filhas e também com Nefertiti em situações bem íntimas (mais uma das inovações da arte do Período de Amarna, nunca antes um Faraó seria retratado em cenas familiares, talvez, na verdade, nem se desse ao luxo de desfrutar da companhia afetuosa dos filhos e, mesmo com as esposas, só mantinha contato físico em situações reservadas (lembrem-se que quem tocasse o Faraó era morto por sua pele ígnea!)) depõem contra o fato dele não ter sido o pai verdadeiro das crianças, ou mesmo não ter sido um marido de fato de sua esposa.


        
Bob Brier formulou a teoria de que Akhenaton não seria então portador da Síndrome de Froelich, mas da Síndrome de Marfan. Esta última, descoberta no final do século XIX d.C. pelo Médico Francês Antoine Marfan, implica em características físicas muito semelhantes àquelas apresentadas pelo Faraó em seus retratos e estátua. Os portadores da Síndrome de Marfan possuem olhos alongados, crânio e queixo alongados, dedos dos pés e das mãos também alongados, tórax estreito e são mais altos da que as pessoas em média, sendo assim, por vezes se tornam curvados.


        
O Egiptólogo, a fim de estudar o possível comportamento de Akhenaton e, com isso poder formular teorias mais plausíveis sobre o que o teria levado a realizar a revolução que realizou, reuniu-se com a Associação dos Portadores da Síndrome de Marfan de Nova York. Depois de entrevistas individuais com estas pessoas (em geral a síndrome afeta mais mulheres do que homens), ele mostrou-lhes slides com fotos de estátuas e desenhos de Akhenaton. A reação foi imediata, todos se identificaram com o Faraó, vendo nele um seu par.


        
É claro que as impressões da platéia (que obviamente buscava um ícone (hoje o encontrou, desde essa reunião, Akhenaton tornou-se oficialmente o símbolo da referida associação) com o qual se identificar) de muito pouco valem na pesquisa de Brier. No entanto, as entrevistas pessoais com os portadores, de muito valeram. O Egiptólogo descobriu que, ao contrário do que se pensa, os portadores da Síndrome de Marfan não se sentem feios ou mesmo inferiores, pelo contrário, muitos relataram gostar de suas aparências e se sentirem figuras exóticas, mas não feias. Há casos de pacientes que usam roupas com listras verticais e alongadas para realçar mesmo o seu visual. O próprio Bob Brier declarou que tais pessoas não são feias, mas exóticas e que guardam uma beleza incomum em seus traços proporcionais e alongados.


        
Certo, Akhenaton era então portador da Síndrome de Marfan! Mas o que isso tem a ver com o fato de ter realizado uma revolução no Egito Antigo?


        
Bem, a análise psicológica de Brier sobre os pacientes de Marfan visava justamente descobrir traços que pudessem ser comuns à personalidade do Faraó. Por isso ele só fez a exposição dos slides posteriormente às entrevistas individuais. Sua conclusão foi a de que, por ser diferente desde criança o Faraó fora rejeitado por seu pai, só tendo chegado ao trono por ocasião da morte prematura do “herdeiro necessário”. Quando se viu em posição de mando, talvez inspirado pelos atos revolucionários de seu próprio pai, Akhenaton resolveu restaurar a fé em Aton e, proscrevendo os demais Deuses (inclusive e especialmente Amon), considerar-se o Aton Vivo. A mudança das concepções artísticas seriam explicadas como sendo uma expressão absoluta não só da vontade, mas também da aparência do Faraó a todos os indivíduos. Com efeito, no Período de Amarna, todas as pessoas passam a ser retratadas com crânios semelhantes ao de Akhenaton, além disso, as cenas familiares (coisa que Akhenaton pode ter sentido falta enquanto criança e que, por isso, fazia questão de dar às suas filhas) se tornaram um recurso artístico comum.


        
A teoria de Bob Brier pode até ser questionável, afinal, não sabemos nem sequer se a Síndrome de Marfan já existia há 3500 anos, mas que é uma teoria razoável, isso é. Além disso, num mundo teocêntrico como aquele em que viveu Akhenaton é razoável pensar que um Faraó (já um Deus em sua própria existência) que possuísse características tão ímpares poderia facilmente ser considerado, e/ou se considerar, um indivíduo “tocado pelos Deus” (apenas a título de exemplo, num outro contexto teocêntrico igualmente forte, mas completamente distinto como o do Mundo Maia, os indivíduos portadores de deformações físicas e/ou mentais eram de tal forma considerados “tocados pelos Deuses” que eram nomeados Reis mesmo sem pertencerem a linhagens Reais).


        

         9.2.2 – Akhetaton:

 

         Depois de já termos examinado quem foi Akhenaton, vejamos agora como foi sua revolução em si, porém, tenhamos em mente que os aspectos religiosos de tal revolução (alguns dos mais importantes) não serão tratados neste item, mas no item 10, com havia sido dito.


        
Akhenaton tomou posse como Faraó por volta de 1353. Governou normalmente até 1349 quando enfim iniciou sua rápida revolução. Nesse mesmo ano, deixou de ser Amenófis IV e passou a ser Akhenaton, ordenou a proscrição do culto aos demais Deuses do Egito e realizou o seu Festival de Sed. No ano seguinte, reunindo o maior número de pessoas que pôde, inclusive sua mãe e seus sogros, partiu rumo a um local desconhecido Nilo abaixo.


        
Ao que parece, o local escolhido para ser a nova sede do poder Faraônico já havia sido escolhida de antemão. Era um lugar isolado uma reentrância nas colinas protegida por elas em três de seus lados e pelo Nilo no outro. Segundo consta, Akhenaton teria escolhido o lugar por ter recebido um sinal divino de Aton. Possivelmente um nascer do sol atrás das colinas avistado de um barco no Nilo.


        Os melhores artesãos de todo o Egito foram empregados na construção de casas, palácios, do porto, de fortes, de tumbas nas colinas e de estelas, muitas estelas. Numa destas estelas esta gravada a mensagem de Akhenaton segundo a qual ele havia jurado a Aton que jamais sairia dos limites de Akhetaton. Por quê? Não se sabe.


        
Nos quase doze anos em que viveu em Akhetaton (que hoje é conhecida pelo nome de Tell el-Amarna pelo fato de se localizar nas proximidades de um vilarejo que tem esse nome e, sendo assim, ter recebido este nome dos Arqueólogos que a descobriram no século XIX). A corte de Akhenaton foi contemplativa. Dedicou-se a construção de obras de arte (algumas, no entanto, consideradas heréticas, como o famoso busto de Nefertiti, por não se encaixarem no perfil estabelecido pelo faraó), de edifícios, ao culto a Aton (que, como veremos, era realizado em santuários muito diferentes dos até então existentes), à pesca, ao comércio nacional (com efeito, Akhetaton se tornou, em sua época, o principal porto do Egito) e às exibições públicas do Faraó. Akhenaton era uma espécie de “Messias” da nova religião. Era a um só tempo o profeta, o Sacerdote e o Deus.


        
A criação desta nova cidade, bem como a revolução religiosa, afastaram definitivamente o Faraó de seus compromissos militares. Porém, como seus dois predecessores (Tutmés IV e Amenófis III) também não haviam tido muito ativos militarmente, o Império Egípcio começava a entrar em colapso.


        
A correspondência internacional de Akhetaton (que se encontra, por motivos que veremos mais adiante, praticamente toda preservada, assim como o desenho da cidade), escrita em Cuneiforme (a escrita Mesopotâmica era utilizada para as comunicações entre os Reinos do II milênio e início do I), revela que os vassalos Asiáticos que costumeiramente escreviam a seu pai demandando ouro da Núbia para manter tropas, agora escreviam reclamando que tais remessas haviam cessado. Muitos pedem que o Egito envie tropas para auxiliar na defesa contra os Hititas que vinham se expandindo através de incursões sobre os territórios Egípcios da Ásia. Vejamos um exemplo com as correspondências de Rib-Addi, Rei de Biblos para Akhetaton (segundo compilação de Samuel Mercer):

        

Quem é Abdi-Assuta, o servo, o cão, para tomar as terras do Rei para si?

...Portanto, envia-me 50 parelhas de cavalos e 200 homens de infantaria, para que eu possa permanecer em Sigata (...)

 

         Os pedidos do Rei de Biblos não foram atendidos, por isso ele enviou outra correspondência, esta não a Akhenaton, mas ao General Amanappa:

 

                  A Amanappa, meu pai, assim (diz) Rib-Addi, teu filho:

                  Aos pés de meu pai me prostro (...)

                  Por que te contiveste e não falaste

                  como o Rei, teu senhor, para que possas

                  avançar com arqueiros (...)?

                  Portanto, transmite esta palavra ao Rei, teu senhor (...)

                  Para que ele me mande ajuda o mais depressa possível.

        

         Continuando sem resposta (é sabido que não foi enviada uma resposta porque as cópias das correspondências enviadas eram guardadas juntamente com as recebidas e nenhuma foi achada), Rid-Addi voltou a escrever a Akhenaton, desta vez, em tom de desespero:

 

                  Rib-Addi falou a (seu) seu senhor, Rei das terras,

                  O grande Rei, o Rei das batalhas (...)

                  Aos pés de meu senhor, meu sol,

                  mais sete vezes me prostro.

                  Saiba o Rei, o senhor, que tudo vai bem com Gubla,

                  A fiel criada do Rei, desde o tempo de seus pais.

                  Mas, vede, agora Abi-Asirti tomou Sigata para si

                  e disse ao povo de Amnia: “Matai vossos príncipes. Então

                  sereis como nós e tereis descanso.”

                  E eles agiram conforme suas palavras,

                  e se tornaram o povo de Gaza.

                  E agora, vede,

                  Abdi-Asirti escreveu aos guerreiros:

                  “Reuni-vos na casa de Nimit e cairemos sobre Gubla...”

                  Fizeram, portanto, uma conspiração entre si,

                  e tenho assim grande temor de que homem algum venha

                  resgatar-me de suas mãos.

                  Qual pássaro numa armadilha, assim estou eu.

 

         Como a corte de Akhetaton continuasse a ignorar os apelos de seu vassalo, este, depois de sofrer um grave atentado no qual quase foi morto, voltou a escrever. Foi a última correspondência dele de que se tem notícias:

 

Um estranho postou-se de adaga desembainhada (...) contra mim;

                  mas o matei (...)

                  Não posso sair [dos portões] e escrevi ao palácio.

                  (Mas não me) enviaste resposta.

                  Fui ferido [nove] vezes

                  E muito tenho temido [por] minha vida (...)

 

         Por tais correspondências pode-se ter uma idéia bem exata de que Akhenaton não se importava com a política Imperial desenvolvida por seus antepassados. Não era, nem pretendia ser um Faraó-Guerreiro, contudo, tal desleixo custou-lhe o império Asiático que praticamente desmoronou perante as investidas Hititas. Estes, que há cerca de cem anos havia se curvado perante Tutmés III enviando-lhe presentes (ou tributos, como registraram seus Escribas), agora, vendo a fraqueza e a falta de ímpeto que o Egito vinha demonstrando, começaram a lançar-se sobre seus domínios, tomando-lhes uma a uma todas as suas posses na Ásia. Até o Mitani, o aliado Egípcio mais importante, foi completamente aniquilado e a Dinastia de origem Védica (na Índia), desapareceu, sendo que se povo acabou por seu fundir com os Urritas nativos.


        
A decadência do Império durante o governo de Akhenaton não passou em pune, com efeito, a quantidade de ouro que entrava anualmente nos cofres Faraônicos já não era mais a mesma, uma vez que não havia os territórios Asiáticos para tributar. Sendo assim, frente a falta de verbas a qualidade de vida da nova capital (que até então deveria ser semi-utópica) começou a declinar. Muitas pessoas importantes começaram a abandonar Akhetaton, visto que não haviam aderido à causa do Faraó por princípios religiosos verdadeiros, mas por ganância. Para manter junto a si os asseclas que lhe restavam, Akhenaton adquiriu o costume de presentear quase diariamente seus mais importantes seguidores com colares de ouro que ele lançava da passarela sobre a avenida principal de sua capital.


        
Quando o ouro para as doações também começou a escassear, Akhenaton mostrou sua face mais tirânica. Ao ver que muitos haviam abandonado Akhetaton para, voltando às suas cidades de origem, voltar também a cultuar os Deuses proscritos, em especial Amon, o Faraó enviou suas tropas a todas as cidades do Egito, mas em especial para Tebas, onde estavam encarregadas de destruir todas as imagens de Amon que encontrassem, além de apagar o nome do Deus de quaisquer monumentos que o contivessem. É claro que tal ordem não pode ser cumprida na íntegra, mas ainda que tenha sido apenas parcialmente cumprida, certamente causou ódio nas populações que contemplaram a destruição de seus Deuses de uma hora para outra. O Faraó não podia esperar ser amado por este ato extremo de demonstração de força.


        
Com o passar do tempo, a redução populacional (em seu auge Akhetaton chegou a ter cerca de 20 mil habitantes) deve ter comprometido a realização de todos os serviços importantes, sendo assim, não seria de se estranhar se uma peste tivesse se abatido sobre a cidade, coisa que explicaria a sucessão de mortes que ocorreu na corte de Akhenaton: Kiya (que veremos mais adiante), foi a primeira a morrer; depois foi a vez de Tiye, mãe do Faraó; duas de suas filhas pequenas; Smenkhare (se “herdeiro necessário”); talvez, Nefertiti e, por fim, o próprio Akhenaton.


        
Tantas mortes num espaço tão curto de tempo trouxeram um terrível destino para a cidade sagrada de Aton. Um destino que entenderemos melhor lendo os itens subseqüentes.


 

         9.2.3 – O Problema de Nefertiti, Kiya e Smenkhare:

 

         Estes três personagens são, de fato, alguns dos mais controvertidos do Período de Amarna, ao seu redor figuram muitos dos mistérios que cercam este período obscuro e fascinante da História Egípcia.



Estátua de
Nefertiti

         Comecemos por Nefertiti. Seu nome significa “É chagada a Bela”, o que para muitos indica que se tratasse de uma mulher muito bonita. Uma história corrente entre os fanáticos pela História do Egito diz que seu famoso busto encontrado na oficina do artesão Tutmés, em Akhetaton, não foi terminado propositalmente, pois, caso o fosse, sua beleza ofuscaria até a das Deusas. Exageros à parte, seu busto revela realmente se tratar de uma mulher muito bonita, com traços perfeitamente equilibrados e nada grotescos (como são seus retratos nos padrões da arte de Amarna).


        No entanto, devemos notar que este busto segue os padrões da arte Egípcia Clássica, sendo assim, não deve ser tido como um indicativo da real aparência da Grande Mulher do Rei. Aliás, um bom motivo para que este busto não tenha sido terminado pode ter sido realmente a proibição da arte Clássica em detrimento dos padrões novos criados por Akhenaton, por isso o busto talvez tenha sido guardado sem ter sido terminado.


        
Não se sabe ao certo a origem de Nefertiti, mas é provável que fosse filha de Aye, o irmão de Tiye, mãe de seu marido. Se esse dado estiver correto, então Nefertiti e Akhenaton seriam primos, o que seria perfeitamente aceitável para os padrões do Egito Antigo.


        
Em muitos retratos, só é possível diferenciar Akhenaton de Nefertiti por causa do tamanho, uma vez que o Faraó é sempre representado em tamanho maior do que os demais indivíduos. Ambos são dotados de seios e de caracteres femininos. Isso, segundo especialistas, por não se repetir em todas as representações do Faraó, não indica que ele fosse hermafrodita, mas que se fizesse representar como um para abarcar a idéia de que ele (como o Aton Vivo) era ao mesmo tempo o pai e a mãe do Egito.


        
Em muitos momentos, ambos aparecem representados juntos, o que leva a crer que ela desempenhasse uma função mais importante dentro do governo do marido do que as Grandes Mulheres do Rei em geral desempenhavam. Alguns pesquisadores chegam até a acreditar numa co-regência de Nefertiti e Akhenaton. Porém, por volta do 12º ano de governo do Faraó que Reinou por 17 anos, Nefertiti desaparece do cenário político, o que leva a crer que talvez tenha morrido. Entretanto existe uma outra teoria que, embora mais atraente (justamente por ser mais romântica), parece-me menos verossímil.


        
Apesar de ser a Grande Mulher do Rei, filha do Tjati e pessoa de grande atuação política, Nefertiti não foi a única esposa do Faraó e, ao que parece, também não teve a sorte de gerar para ele um varão (pelo menos não pelo que nos indicam as representações da família Real (Akhenaton, Nefertiti e suas seis filhas), se bem que houvesse um costume no Egito de se omitir o “herdeiro necessário” das representações até que o Faraó tivesse morrido; esse costume se dava para evitar tentativas de golpe de Estado). Seja como for, ao menos um filho homem Akhenaton deixou: Tutankhamon. Este, ao que tudo indica seria um seu filho com uma Esposa Secundária: Kiya, que, inclusive, detinha o título de “A muito Amada”.


        
Segundo a teoria que referi, depois que Kiya teve Tutankhamon, Akhenaton teria pensado em dar a ela o lugar que era de Nefertiti, esta, por sua vez, temendo perder seu status (ou ainda, segundo alguns, por ciúme (sentimento que nem mesmo podemos comprovar se existia na sociendade Egípcia)) teria envenenado Kiya. O certo é que uma das últimas aparições de Nefertiti é junto a Akhenaton, segurando no colo um bebê varão, retratados na parede do túmulo de Kiya. Por essa razão acredita-se que o bebê seja Tutankhamon, filho de Kiya e que a morte de sua mãe tenha feito com que sua criação ficasse sob a responsabilidade de Nefertiti.


        
Como explicar, porém, o desaparecimento subseqüente de Nefertiti? Seu túmulo nunca foi encontrado (se bem que; como veiculado em notícia nesta mesma edição; alguns acreditem ter descoberto sua múmia), sendo assim, não se pode datar precisamente a sua morte. Existe uma corrente de Egiptólogos que acredita que ela pode ter se afastado da vida pública para criar Tutankhamon, outros ainda acreditam que ela pode ter sido banida da corte (sendo rejeitada pelo Faraó) por ter assassinado a mãe do “herdeiro necessário” e outros crêem que ela simplesmente morreu, talvez, como punição por seu suposto crime.


        
Mas por que tudo isso constitui um enigma? Qual a relevância de se saber se Nefertiti morreu, criou Tutankhamon, foi banida, matou Kiya?...


        
Realmente, concordo que não haveria relevância nenhuma se não fosse a inexplicável figura de Smenkhare. Se bem que, mesmo que não houvesse essa figura, há que se pensar que Nefertiti é, depois, talvez, de Cleópatra, a mulher mais famosa do Egito Antigo, por isso haveria aqueles “fãs” que iriam querer saber a qualquer custo o que se deu com a Grande Mulher de Akhenaton.


        
A História de Akhetaton nos fala de um governante chamado Smenkhare. Este indivíduo é uma quase completa lacuna na Egiptologia. Sabe-se que ele existiu e que governou como co-regente de Akhenaton em seus últimos anos. Mais nada. Tudo o mais que se diz dele é a mais pura fantasia. Porém, não é porque se trata de fantasia que deve ser descartado, afinal, a fantasia, neste caso, também é História.


        
Para alguns, Smenkhare seria filho de Akhenaton e Nefertiti e teria governado como co-regente do pai até poucos meses antes de sua morte. No entanto, por razões inexplicáveis, acabou padecendo antes que o Faraó, tendo que ter sua posição rapidamente substituída por Tutankhamon.


        
Para outros, Smenkhare teria sobrevivido à morte de Akhenaton e governado por quatro anos antes de morrer e ser substituído no trono por seu irmão Tutankhamon.


        
Outra teoria é a de que após a morte de Akhenaton, Nefertiti (que não teria morrido), com medo de ver o sonho de marido solapado pela falta de um herdeiro, visto que Tutankhamon teria apenas cerca de cinco anos de idade, teria enviado um pedido de ajuda ao Rei de Hatti (país dos Hititas, inimigos do Egito) e pedido por um filho seu. Este filho teria sido enviado e, ao chegar a Akhetaton, teria se casado com Meritaton, filha mais velha de Nefertiti, e se tornado o Faraó, com o nome de Smenkhare.


        
Outra teoria ainda dá conta de que após as mortes quase seqüenciais de Smenkhare e Akhenaton; Nefertiti teria ascendido ao trono (como no passado fizera Hatshepsut) com o nome do filho.


        
É possível ainda que o príncipe Hitita tenha chegado e governado por um tempo, mas, ao tomar atitudes que desagradavam Nefertiti, teria sido morto e teria tido seu lugar tomado por ele, com o mesmo nome.


        
Toda a controvérsia se dá pelo costume Egípcio de proteger os nomes. Como já foi dito, todos os indivíduos tinham seu nome secreto e seu nome público, porém, no caso dos Faraós, seu nome público não era seu nome Real, por isso, eles possuíam três nomes. Aos nomes secretos são impossíveis de se conhecer, visto que não eram escritos em lugar algum. Os nomes públicos de alguns (nomes pelos quais eram chamados enquanto crianças, antes de se tornarem a encarnação Divina do Deus Dinástico Vigente) nos são conhecidos e os nomes Dinásticos são os que nos sobram na grande maioria das vezes. No caso de Smenkhare, por exemplo, apesar de não termos muitas informações, temos seu nome público e é aí que está o problema.


        
Smenkhare, na realidade é o nome público de um Faraó cujo nome Dinástico era Ankhkheprure. Porém, existem, ao que parece, dois nomes públicos relacionados a este Faraó. Considerando-se que a hipótese de um desses nomes ser seu nome secreto é praticamente nula, nos fica uma grande questão: teriam havido dois Smenkhare?


        
O primeiro nome público de Ankhkheprure era Smenkhare, porém, o outro era, simplesmente Nefernefruaten; o nome de Nefertiti em Egípcio.


        
O que se pode tirar disso? Pouco além de uma porção de questões. Mas, o que é a História senão a própria questão (na definição de Heródoto, por acaso, o pai da História)?


        

         9.2.4 – Tutankhamon:

        

         A cronologia mais aceita para o Período de Amarna aponta o ano de 1336 como ano da morte de Akhenaton e o ano de 1332 como o da posse de Tutankhamon. A lacuna de quatro anos que essa cronologia nos deixa seria justamente o nebuloso período do(s) governo(s) de Smenkhare.


        
Considerando essa cronologia como correta, somos levados a acreditar que nos quatro anos de governo de Smenkhare (seja ele quem for), Tutankhamon estava sendo preparado para assumir o trono. Porém, esta hora chegou muito mais cedo do que se podia esperar.


        
A tutela do jovem “herdeiro necessário”, possivelmente por falta de alguém mais próximo, foi confiada ao pai de Nefertiti, o Tjati Aye. Aye era uma espécie de tio do garoto e talvez tenha tido algum contato com ele, como rezava a cartilha de Akhenaton, que pregava as relações afetuosas entre os familiares.


          O fato é que quando Tutankhamon assume o trono, para se legitimar como Faraó ele é obrigado a se casar com sua irmã Ankhsenamon, ao que parece, a única das seis filhas de Akhenaton e Nefertiti a estar viva nessa época.

        
Os dois tinham a mesma idade e assumiram o trono com os respectivos nomes de Tutankhaton e Ankhesenpaaten. Porém, como ainda tinham algo em torno de nove ou dez anos, não podiam governar de fato e, sendo assim, o governo recaiu sobre as mãos de Aye, o Tjati e tutor do Faraó.


Máscara mortuária
de Tutankhamon


         Aye era, ao que parece, um homem de visão e, sendo assim, tão logo teve o poder nas mãos, achou que o melhor a fazer seria reatar com o Clero de Amon em Tebas. Este Clero, apesar da proscrição e da “caça às bruxas” perpetrada por Akhenaton, continuava existindo, forte e controlando de forma soberana a cidade de Tebas. Aye parece ter conduzido o jovem Faraó para fora de Akhetaton pela primeira vez na vida, visto que devido ao juramento de Akhenaton de jamais deixar sua cidade, é de se concluir que não permitisse isso a seus filhos também.


        
Chegando em Tebas, Aye ordenou que o Templo de Karnak fosse restaurado, que o Festival de Opet (festival que será mais discutido no item 10) fosse executado novamente após tantos anos e que Tutankhamon fosse coroado como mandava a tradição, no Templo de Karnak, adentrando no Templo ao lado de sua nova esposa Ankhesenamon. Data do dia da coroação em Karnak a mudança de nome dos dois (com a finalidade de renegar a reforma religiosa de seu pai e se reaproximarem do Clero de Amon em Tebas) e também data deste dia a estela da restauração, cujo texto é o seguinte (segundo compilação de John Bennett):

 

Ora, quando esta majestade se fez Rei, o templo dos Deuses e Deusas, desde Elefantina até os charcos do Delta (...), tinha sido negligenciado.

Seus santuários haviam caído em desolação e se transformado em terrenos cobertos de raízes.

Era como se seus santuários nunca houvessem existido, e seus salões eram uma trilha calcada com os pés.

A terra estava em confusão, os Deuses abandonaram esta terra (...)

Sua majestade estava administrando esta terra e governando diariamente as duas margens do rio.

Então, sua majestade consultou seu coração, em busca de todas as oportunidades excelentes, buscando o que fosse benéfico para seu pai Amon, para moldar sua augusta imagem em ouro realmente puro (...)

Todas as (oferendas) do templo foram duplicadas, triplicadas e quadruplicadas com prata, ouro, lápis-lazúli, turquesa, todas as pedras raras e de alto valor, linho real, tecidos brancos, linhos finos, azeite, resina... incenso e mirra, sem limite de tudo o que há de bom (...)

Os Deuses e Deusas que há nesta terra têm o coração cheio de alegria.

                  Os donos dos santuários estão contentes,

         As terras encontram-se em estado de júbilo e festa,

                  Há celebração por toda [a terra] e boas [coisas] sucedem.

 

         Nos dez anos de seu governo, Tutankhamon não tomou muitas decisões administrativas. Era uma criança e, como tal, bricou e se divertiu ao lado de sua esposa-irmã. Quem governou de verdade foi Aye, este sim revitalizou o comércio, enviando expedições a Punt e à Fenícia. Reforçou o controle do Egito sobre a Núbia, controle este que, assim como o sobre a Ásia, estava comprometido, porém, diferentemente deste, ainda pôde ser mantido.


        
O jovem Faraó gastava seu tempo caçando aves no Delta, aprendendo a conduzir bigas e viajando entre Tebas e Mênfis. Se bem que é provável que tenha passado a maior parte de sua vida em Mênfis, visto que Tebas não deve tê-lo agradado pela distância dos costumes em relação àquilo que estava acostumado.


        
Não se sabe se pela tenra idade ou se por de fato amar sua esposa, possivelmente a única pessoa em quem confiava de verdade e com a qual deve ter desenvolvido uma estreita relação (por motivos que vão desde o exemplo paterno até as tensões que passaram juntos), o fato é que Tutankhamon não teve outras esposas, apenas Ankhesenamon.


        
Enquanto Aye, como Tjati e detentor do poder de fato, reestruturava a política e a economia do Egito, Akhetaton começava a se tornar uma cidade fantasma. A ausência da corte acabou com a razão de ser da cidade e, sendo assim, ela foi sendo gradativamente abandonada.



Tutankhamon e Ankhsenamon
         Quando Tutankhamon atingiu a idade adulta (algo entre 18 e 20 anos), um evento inusitado aconteceu: ele foi golpeado na parte posterior de sua cabeça, mas precisamente na nuca, com um pesado instrumento (talvez uma maça de pedra). A análise de Bob Brier sobre as radiografias do crânio do Faraó concluiu que a posição em que o golpe foi desferido só pode denotar que o Faraó foi golpeado enquanto estava dormindo deitado de bruços. Por isso, ele certamente não morreu numa batalha, mas foi assassinado. O ferimento provocou um leve traumatismo craniano que não foi suficiente para matar o governante do Egito no ato, mas que o levou a sobreviver alternando entre a consciência e o coma por diversos meses (fato que explicaria a cicatrização parcial do ferimento), no entanto, Tutankhamon pode ter morrido de fome ao entrar em coma, pois como não existia a alimentação endovenosa através do sono fisiológico, os Egípcios podem ter sido incapazes de alimentar seu Deus Vivo em coma e, sendo assim, deixado-o morrer.


         Ao longo dos dez anos em que foram casados, Tutankhamon e Ankhesenamon não conseguiram ter nenhum filho. A garota engravidou duas vezes, mas sofreu abortos espontâneos (será?) em ambas. Sendo assim, o Faraó morto não deixou herdeiros o que tornava Akhesenamon, como a última das princesas do Egito, a única capaz de legitimar um novo governante para o país.


        
Com certa lógica, Bob Brier situa nesta época (nos setenta dias em que o Egito ficou sem governante, entre a morte de Tutankhamon e seu sepultamento) o envio da correspondência ao Rei de Hatti pedindo-lhe um de seus filhos. Sendo assim, carta enviada a Supiluliumas (cuja compilação de Hans Gustav Guterbock consta abaixo) e comentada por seu filho Mursilis II, encontrada em Bogazköy, antiga capital de Hatti, não teria sido escrita por Nefertiti, o que faria um certo sentido em se observando seu conteúdo e o contexto em que Nefertiti pode ter governado como Smenkhare, mas por Ankhesenamon. Vejamos os comentários de Mursilis II sobre a carta:

 

Quando meu pai esteve na região de Carquemich, enviou Lupakki e Tarhunta [?]-zalma à região de Amka. E então eles atacaram Amka e trouxeram deportados, gado e ovelha para meu pai. Mas, quando o povo do Egito soube do ataque a Amka, ficou temeroso, e como, além disso, seu senhor Nibhuruiya havia morrido, a rainha do Egito, que era Dahamunzu [?], enviou um mensageiro a meu pai e assim lhe escreveu: “Meu marido faleceu. Filhos, não os tenho. Mas de ti, segundo dizem, os filhos são muitos. Se me desses um de teus filhos, ele se tornaria meu marido. Jamais escolherei um servo meu para torna-lo meu marido! (...) Tenho medo!”

 

         Levando-se em consideração o que de fato aconteceu: Ankhsenamon foi obrigada a casar-se com Aye (que era possivelmente seu avô, pai de sua mãe, Nefertiti) e torná-lo Faraó. Pode-se muito bem acreditar que os comentários à carta que Supiluliumas teria recebido do Egito se refeririam a Ankhesenamon. Infelizmente os Hititas costumavam traduzir os nomes dos Egípcios, por isso não é possível saber ao certo sobre quem o documento está falando. A única coisa que se pode fazer é situar a época e compara-la com o Egito, mas isso acaba sendo muito impreciso, pois as melhores datações podem diferir em até 30, 50 anos e, sendo assim, não esclarecem muita coisa. Quem seria Nibhuruiya e Dahamunzu? Alguns acham que podem se tratar de Amenófis IV (Akhenaton) e Nefertiti; e outros, que pode se tratar de Tutankhamon e Ankhesenamon. Possivelmente nunca saberemos a verdade.


 

         9.2.5 – Aye:

 

         Em 1322 (ainda segundo a cronologia mais aceita), após a morte de Tutankhamon, Aye, pai de Nefertiti, assume o trono ao se casar com Ankhesenamon.


        
Bob Brier assume no final de seu livro que o Tjati de Akhenaton e Tutankhamon teria sido o assassino ou mesmo o mandante do assassinato do Faraó. É possível, visto que se o governante fora mesmo assassinado enquanto dormia, esse crime só pode ter sido cometido por alguém com livre acesso a todos os aposentos do palácio: o Tjati, por exemplo. Além disso, Aye foi realmente o maior beneficiário da morte do jovem Faraó, visto que assumiu o trono como Faraó ele próprio.


        
Outros argumentos que reforçam a teoria de que Aye teria sido o responsável pela morte de Tutankhamon são o fato do Monarca ter sido assassinado justamente quando atingira a idade em que estaria apto a começar a reivindicar seu papel de governante; coisa que, até agora, não havia feito; e uma estranha pintura no próprio túmulo de Tutankhamon.


        
Nessa pintura, Aye, trajado como Sumo-Sacerdote de Amon, realiza a cerimônia de abertura de boca da múmia de Tutankhamon, porém, esta cena que poderia não trazer em si maiores indícios nos diz muito em dois sentidos: Aye é retratado com o mesmo tamanho do Faraó, coisa que não ocorria jamais, visto que o Faraó era um Deus Vivo e, além disso, sobre a cabeça, Aye leva a coroa militar azul do Egito, honra somente concedida aos Faraó, sendo assim, antes mesmo de ser proclamado Faraó, Aye já se consideraria como tal, o que é, em si próprio, muito suspeito.


        
Todos esses indícios podem ser retirados da tumba de Tutankhamon por dois motivos: o Faraó morreu muito jovem e, mesmo os Egípcios tendo o costume de preparar suas tumbas em vida, eles nunca as terminavam antes de morrerem, pois isso era considerado de mau agouro. A tumba de Tutankhamon, contudo, é muito pequena, o que denota que, possivelmente não estava destinada a ele, mas a outra pessoa, mas acabou sendo cedida ao Faraó dada a urgência da situação.


        
Como já foi mencionado, a poligamia só era permitida ao Faraó, estando os demais indivíduos restritos a apenas uma esposa. Pois bem, Aye era casado com Tey, mãe de Nefertiti e uma das mais influentes cortesãs do Período de Amarna. Pelas pinturas de Aye e Tey em sua tumba em Akhetaton (eles estavam preparando uma tumba na antiga capital, decorada com os motivos consagrados na revolução de Akhenaton, porém, quando viram o naufrágio das idéias revolucionárias, abandonaram esta tumba incompleta e iniciaram outra nas proximidade de Tebas), pode-se perceber que os dois também eram muito unidos, sendo assim, é pouco provável que Tey aceitasse de bom grado o casamento de seu marido com sua neta o que, aliado ao desaparecimento de Ankhesenamon (cuja tumba nunca foi encontrada e cuja última vez que é mencionada é quando se casa com Aye), contribui para a idéia de que talvez ela também tenha sido assassinada quando perdeu sua serventia: legitimar o poder Faraônico do avô.


        
Uma vez entronado, Aye não teve tempo de realizar grandes feito. Já era um homem velho e só logrou governar dois anos, morrendo em 1320 (ou 1319, para alguns).


 

         9.3 – Horemheb e a Reconstrução do Império:

 

         Após a morte de Aye, quem toma o poder é Horemheb, um antigo general que lutara por Amenófis III, antes do Período de Amarna. Ninguém sabe ao certo como este indivíduo fez para se legitimar no poder, mas a teoria mais provável é a de que após a morte de Aye, um velho sem filhos, o Clero de Amon tenha se esforçado para colocar no poder alguém que lhe fosse fiel e que, ao mesmo tempo, possuísse o ímpeto guerreiro do qual o Egito tanto necessitava, visto que urgia retomar as expedições ofensivas na Ásia, antes que os Hititas começassem a realizar reides em terras Egípcias.


        
Horemheb era ambas as coisas: religioso e um general ligado ao furor das batalhas. Por isso é provável que o Oráculo de Amon tenha entrado em ação mais uma vez e, legitimando um novo governante, garantido o poder mais uma vez de volta para as mãos do Deus Invisível.


        
A fim de reestruturar o Egito, Horemheb dividiu o poder de duas formas: primeiramente, o Faraó já não seria mais o único responsável pela manutenção da Maat, mas, ao contrário, deveria administra-la em conjunto com os Sacerdotes de Amon, sendo assim, Horemheb coibia a realização de uma nova revolução como a de Akhenaton. Em segundo lugar, visando limitar o poder do Tjati e, sobretudo, sua influência sobre o Faraó, Horemheb dividiu o cargo em dois. Havia agora um Tjati para o Alto Egito e outro para o Alto Egito (um residindo em Tebas e o outro em Heliópolis), sendo assim, dificilmente outro Aye apareceria no cenário nacional e ganharia a notoriedade que aquele Tjati havia ganho.


        
Em termos de justiça Horemheb também operou reformas, estas, porém, de nítida inspiração nos códigos dos povos Asiáticos. É de se supor se os Assírios (povo recém-instalado na cidade de Assur, na Mesopotâmia) não teriam inspirado Horemheb, mas como? A partir de seu governo, passaram a existir leis para coibir abusos de poder e sobre-taxações da população por parte dos Nomarcas e funcionários Régios corruptos.


 

         9.3.1 – O Período das Proscrições de Horemheb:

 

         Quando Akhenaton resolveu migrar para Akhetaton, é possível que Horemheb tenha sido um dos indivíduos ligados à corte que tenha se recusado a ir com ele. É ainda possível que ele tenha ido para a nova capital, mas que tenha sido um dos primeiros a abandonar o Faraó de Aton, quando percebeu que as reformas daquele só estavam pondo a perder as conquistas seculares do Egito.


        
Horemheb é o típico governante com perfil idealista, a espécie de homem que impõe seu pensamento sobre o Estado assim como se este fosse a verdade absoluta. Utilizando-se da força dos exércitos (que ele sabiamente reformou de modo a recuperar sua força), este Faro conseguiu se legitimar como poucos antes dele haviam feito. Nos treze anos em que passou no trono, dedicou-se a desfazer o que seus antecessores haviam feito. Fez isso de maneira tão bem feita que, na verdade, optou por risca-los da História.


        
Com efeito, Horemheb datou seu primeiro ano de governo como sendo seu 34º, sendo assim, se considerou o primeiro Faraó a ocupar o trono depois de Amenófis III, a quem tinha servido como general. Para tornar sua proscrição do Período Amarna mais verossímil, Horemheb enviou homens a Akhetaton e dispersou as últimas pessoas que ainda habitavam a cidade, depois, ordenou que a cidade fosse literalmente desmontada e que suas pedras fossem embarcadas para Tebas, onde ele as utilizou para realizar as obras de ampliação do Templo de Karnak em seu governo. Fora de Akhetaton (que ficou reduzida ao que é hoje (a cidade praticamente não mudou), ou seja, ruas que ligam o nada ao lugar nenhum, onde se pode avistar os alicerces intactos das casas e prédios e onde é possível desenterrar ainda hoje salões subterrâneos ignorados pelos executores de Horemheb), todo monumento onde se encontravam os nomes de Akhenaton (ou Amenófis IV), Smenkhare, Tutakhamon e Aye, tiveram suas inscrições raspadas e rudemente substituídas pelo nome de Horemheb. Sendo assim, em muitos monumentos o nome de Horemheb está entalhado numa profundidade maior do que os demais hieróglifos.


        
As proscrições de Horemheb foram tão bem feitas que até mesmo os túmulos dos membros do Período de Amarna foram violados e tiveram suas inscrições destruídas. Todos... Menos o túmulo de Tutankhamon.


        
É provável que Horemheb não nutrisse qualquer sentimento de repudia a este jovem Faraó, é possível até (segundo Bob Brier), que nutrisse alguma afeição por ele e que o visse como vítima, porém, para que sua proscrição fosse bem feita, também o nome de Tutankhamon deveria ser apagado da História, mas, no entanto, seu espírito (ka) não precisaria ser destruído, sendo assim, a tumba de Tutankhamon foi poupada da destruição que assolou tudo o que pertencera ao Período de Amarna. Tendo sido passada a Horemheb, a própria estela da restauração havia sido esvaziada de sentido, visto que não haveria o que restaurar se este Faraó apenas tivesse sucedido o anterior numa seqüência lógica e natural, como ele quis que fosse.


        
A hipótese de que Horemheb tivesse ido com Akhenaton para Akhetaton não é de todo descartável, visto que há fortes indícios para se acreditar que este Faraó também adorasse Aton. Sendo que ele poderia, como parte de suas proscrições, proscrever também o culto ao Deus que todo o transtorno causara, mas, não o fez.


 

         9.3.2 – A Tumba de Tutankhamon:

 

         Como foi dito, Horemheb poupou o corpo e, conseqüentemente o ka de Tutankhamon da fúria de suas proscrições. No entanto, estas fizeram com que seu nome fosse apagado da História do Egito, sendo que nem mesmo Faraó futuros (nem mesmo Mâneton) vieram a saber de sua existência (bem como da de todos os principais personagens do Período de Amarna). Se ninguém conhecia Tutankhamon, se seu governo foi curto e sem nenhum feito relevante, como vimos, então, resta a pergunta: Por que ele é o mais famoso dos Faraós do Egito Antigo?


        
A fama de Tutankhamon se deve a dois pontos importantes: a descoberta de Tell el-Amarna, no sítio onde se localizava Akhetaton, o que intrigou os Egiptólogos que não puderam explicar o que foi aquela cidade, nem porque ela foi demolida; e o fato de sua tumba ter sido a única tumba Real do Egito Antigo a não ter sido saqueada.


        
A descoberta de Tell el-Amarna ajudou muito na compreensão de como se organizavam internamente as antigas cidades Egípcias justamente pelo fato de ter mantido todo o seu traçado de ruas inalterado, uma vez que, como foi literalmente desmontada, não passou pelo longo processo de saques que destruiu (e ainda destrói) aos poucos os grandes sítios da Antiguidade.


        
A tumba de Tutankhamon, no entanto, vem sendo o maior referencial para se compreender muito sobre o Egito Antigo. Antes que se fale mais detalhadamente sobre ela, é bom que se saiba que ela chegou a ser saqueada, porém, por alguma razão (possivelmente a chegada de guardas) os ladrões tiveram que sair antes de poder levar muita coisa, por isso, apenas algumas pequenas peças foram retiradas. Parece que o saque às tumbas havia se tornado endêmico no Novo Império, tanto que um Faraó já não podia descansar em paz por dois anos (governo de Aye) sequer.


        
A proteção dada provavelmente por Horemheb à tumba do Faraó menino consistiu em cobrir sua entrada (já entulhada de cascalho) com mais cascalho ainda, sendo assim, aquele que passava pelo local tinha a impressão de se tratar de um amontoado de cascalho advindo da escavação de outras tumbas Reais, e não de uma tumba Real em si.


        
Dentro da tumba, o Egiptólogo Howard Carter, em 1922, encontrou mesas de cedro, jóias, tabuleiros de jogos, arcos e flecha, kopeshs, lanças, vasos, uma cama, muitas estátuas, diversos ubshabtis e o esquife, aliás, os esquifes, visto que Tutankhmon estava dentro de três sarcófagos: um de cedro, um de pedra e um de ouro maciço. Praticamente tudo o que se sabe sobre os enterramentos Faraônicos do Egito Antigo se deve a esta tumba. Comparações podem ser traçadas com as demais através do tamanho e das inscrições nas paredes. Para se ter uma idéia, não havia nada posicionado geometricamente, pelo contrário, tudo estava empilhado desordenadamente, como se a mera presença das coisas ali bastasse para que o Faraó pudesse desfrutar delas na outra vida.


        
Só a título de comparação, se a tumba de Tutankhamon, mesmo sendo pequena e tendo sido designada para ele de improviso continha tantas coisas de tanto valor, apesar dele próprio também ter sido um Faro de menor importância que Reinou num período de recessão econômica do Egito, podemos apenas imaginar quão fabulosas não teriam sido as riquezas das tumbas de Faraós como Quéops, Tutmés III, ou Ramsés II, os grandes Faraós do Egito Antigo.


 

         9.3.3 – A Descoberta do Período Amarna:

 

         Se o trabalho proscrição realizado por Horemheb foi tão bem feito que conseguiu apagar Akhenaton e seus sucessores da História de tal modo que nem mesmo Mâneton pôde dispor do conhecimento de sua existência, como é que viemos a saber sobre esse período?


        
A descoberta do Período de Amarna se deu por dois motivos: a descoberta de Tell el-Amarna, onde se pôde verificar que uma cidade havia sido desmontada e onde os resquícios de arte encontrados, sobretudo, em tumbas nas colinas (como as de Aye e Kiya) e restos de pisos internos de residências e edifícios, indicavam uma arte fora da convencional, centrada na representação de cenas da natureza, animais, flores...


        
Ao redor das ruínas do Templo de Karnak, por volta de 1840 d.C., encontrou-se pedras que passaram a ser chamadas de talatat (termo originário do Árabe, três, por que elas têm três palmos de largura e de profundidade). Ao se examinar tais pedras, constatou-se que não haviam sido preparadas originalmente para o destino que tiveram, ou seja, integrar as paredes do Templo de Karnak. Ao que parecia, as faces pintadas e/ou esculpidas eram colocadas para baixo de modo a ficarem, para sempre sepultadas nas paredes do Templo.


        
Estudando-se essas pedras, constatou-se que seu tamanho também não era proporcional ao das demais pedras utilizadas em Karnak, por isso, começou-se a indagar de onde seriam oriundas, e mais, porque seus desenhos haviam sido escondidos?


        
O trabalho de montagem das pedras de modo a dar significado aos desenhos (trabalho digno de um verdadeiro quebra-cabeças) constatou que muitas das cenas se articulavam com aquelas encontradas em Tell el-Amarna, por isso, começou-se a investigar a possibilidade de tais pedras procederem de lá.


        
Percebeu-se, então, que essas pedras haviam sim sido as paredes daquela cidade, em especial de seus templos e que eram tão menores do que os blocos utilizados em geral por dois motivos: para facilitar a rápida construção da cidade, os blocos que eram cortados das montanhas não eram maiores do que um homem poderia carregar sozinho, sendo assim, o trabalho era mais rápido. O segundo motivo era que os templo de Tell el-Amarna, ao contrário dos demais templos do Egito, não possuíam teto, o que diminuía a necessidade de paredes grossas para sustentá-los. Mas por que esses templos não tinham teto? Restava saber disso, assim como também restava saber porque as pinturas reveladas por aquelas paredes propositalmente escondidas eram tão diferentes daquelas consagradas na arte tradicional do Egito.


        
Todas essas questões começaram a dar os primeiros indícios para se supor a existência de um período que se quis apagar da História, um período revolucionário e de uma revolução que não havia dado certo. A tumba de Tutankhamon veio a preencher uma lacuna que se encontrava nesse sentido. Agora sabia-se do que se tratava aquele período, bem como, agora podia-se entender porque o nomes do Faraó Horemheb estava gravado de forma mais profunda em alguns monumentos, como se tivesse sido gravado sobre algo que havia sido raspado.


        
No que se refere aos templos, bem com à religião do Período de Amarna, como já mencionei, tratarei mais adiante, no item 10.


 

         9.4 – A XIX Dinastia:

 

         Depois de governar por 13 anos, tendo-os registrado com se fossem 47, Horemheb, que já era um homem de idade avançada ao assumir o trono, morreu.


        
Assim como seus dois predecessores, ele não deixou herdeiros, porém, ao contrário deles, ele deixou um documento que encaminhava o trono para as mãos de um amigo seu, o Tjati do Baixo Egito, um homem chamado Ramsés.


        
Ramsés assumiu o trono como Ramsés I, mas, como também era um General dos tempos de Horemheb, como ele, já era idoso quando assumiu o trono, por isso, seu único ato de relevância nos dois anos em que governou foi associar seu filho Seti ao trono.


        
Seti também era um militar, mas bem mais jovem do que o pai. Durante o governo dele (Ramsés I), o jovem co-regente realizou comapnhas militares na Núbia (garantindo a soberania Egípcia na região) e na Palestina, que havia sido perdida durante o governo de Akhenaton. Quando Ramsés I morreu, Seti assumiu o trono tornando-se Seti I (sobre ele falarei um pouco mais no item sobre Omm Seti).


        
O governo de Seti I simbolizou a reconstrução do Império perdido, com efeito, este Faraó foi muito ativo militarmente, tendo reconquistado para o Egito toda a Palestina e também algumas partes da Síria que haviam sido tomadas por Hatti.


        
Foi no governo de Seti I que o culto a Aton foi completamente proscrito no Egito sendo seus devotos, caso encontrados em culto, condenados a morte. O filho de Seti I, Ramsés (algumas correntes sustentam que Ramsés não seria filho do Faraó, mas seu sobrinho) foi associado ao trono do pai enquanto ainda criança e, antes mesmo da morte do pai, já iniciou as construções que o tornariam célebre como o maior construtor do Egito. Comandou pessoalmente a construção de duas cidades no Delta do Nilo (local de onde a família Real era originária). Ambas levaram seu nome, mas, uma delas, Pi-Ramsés, após a morte de Seti I, tornou-se a capital do Egito.


        
Horemheb, Ramsés I e Seti I haviam governado quase que exclusivamente em Mênfis sendo Tebas quase que abandonado ao Clero de Amon, definia-se completamente o papel de capital religiosa daquela cidade.


        

         9.4.1 – Ramsés II, o Grande:

 

         Ramsés é, talvez apenas depois de Tutankhamon, o Faraó mais conhecido do Egito Antigo. Sua fama se deve em muito ao filme “Os Dez Mandamentos”, onde ele é o irmão adotivo de Moisés que consegue afasta-lo do trono e depois começa a perseguir o povo Judeu que vive como escravo no Egito. É certo que o filme de Charleton Heston não deve ser visto como verdadeiro, no entanto, talvez, como veremos mais adiante, haja algo de verdadeiro na História de Moisés, como veremos no item 10.


        
Outro ponto importantíssimo para a fama de Ramsés foi a série de Romances Históricos de Christian Jacq: “Ramsés: o Filho da Luz”, “Ramsés: A Batalha de Kadesh”, “Ramsés: A Dama de Abu Simbel”, “Ramsés etc, etc, etc...”. Livros como esses só têm um papel na História: confundir a cabeça de seus leitores com informações sonhadas por seus autores e tidas como Históricas por terem como pano de fundo uma época desconhecida para muitos e que, por isso, aceita quaisquer absurdos que lhe forem atribuídos como sendo verdadeiros. Para se ter uma idéia, pode-se comparar um livro como os de Christian Jacq (que, aliás, ficou milionário vendendo enganações a pessoas com tempo disponível para ler algo que não lhes acrescentará em nada) com um filme como “O Escorpião-Rei” (já citado neste texto), onde o lutador de Luta Livre conhecido como “The Rock” interpreta o protagonista que se encontra completamente descontextualizado historicamente, em suma, obras para não se ler ou se ver.


        
Absurdos e sensos comuns à parte, Ramsés II foi realmente um grande Faraó. Para começar, governou por 67 anos, tempo no qual teve mais de 150 filhos com suas dezenas de esposas. Só isso já faria dele um recordista, no entanto, é também provável que tenha tido o governo mais duradouro do Egito Antigo, uma vez que é muito duvidoso que Pepi II tenha governado tanto tempo quanto se lhe atribuí.


        
Militarmente falando, o feito mais impressionante (e inverossímil) deste Faraó foi a famosa Batalha de Kadesh. Nesta batalha, realizada na Ásia, contra os Hititas, pela tomada da cidade de Kadesh, ao contrário do que muitos pensam, Ramsés foi derrotado, inclusive, em suas exaltações às suas glórias, ele mesmo reconhece isso. Porém, segundo escreveu em muitas e muitas paredes (esta é a narrativa mais exaustivamente reproduzida em paredes da História do Egito), num determinado momento ele foi separado do corpo de seus exércitos que, sem comandante, começou a ser trucidado pelos Hititas. Com uma inspiração Divina, porém, Ramsés conseguiu romper as linhas inimigas, reagrupar seu exército e bater em retirada. Com o tempo, como esta foi a última batalha da qual Ramsés participou e como ele não dispôs de outras sobre as quais se enaltecer, esta derrota sem maiores conseqüências acabou se tornando (nas inscrições mais recentes) uma espécie de manifestação de poderes Divinos do Faraó. Algumas inscrições relatam que com apenas uma das mãos (a outra estaria machucada), Ramsés conseguiu destruir milhares de bigas Hititas e atingir seu exército.


        
Seja como for, Ramsés se dedicou, em seu governo, a construir grandes obras ao longo de todo o Egito. Inspirado em Amenófis III (que erigiu os Colossos de Memnon), ele construiu muitas estátuas de si próprio ao longo de todo o país. Não contente ele ainda usurpou diversas estátuas de Faraós antecessores, simplesmente apagando seus nomes e entalhando o seu por cima. As mais célebres obras de Ramsés são o Ramesseum, em Tebas; Abu Simbel, na Núbia e a Sala Hipostila do Templo de Karnak, onde existem 134 colunas gigantes ricamente esculpidas com a narração dos feitos de Ramsés.


        
Com efeito, a sede de Ramsés pelo grandioso fez com que seu nome se espalhasse aos quatro ventos dando ao Monarca uma fama muito maior do que seu real poder comportava, contudo, a proliferação demasiada de estátuas e templos colossais em sua homenagem fez com que os tradicionais padrões arquitetônicos Egípcios deixassem de ser tão requintados. Em muitos desses templos, especialmente nos mais recentes, ao invés de grandes blocos de concreto, as paredes são construídas com duas paredes paralelas de pequenas pedras e um vão recheado de cascalho no meio, o que dá a impressão de que se tratam de pedras muito grandes, mas estas paredes, por serem frágeis, só podem ser sustentadas por colunas de apoio.


        
Apenas alguns meses após a Batalha de Kadesh, Ramsés recebeu uma proposta para um tratado de paz com os Hititas. Prontamente o Monarca aceitou-o, se bem que tenha feito com que este fosse retratado como sendo uma rendição. Na verdade, este tratado era um tratado de mútua defesa, proposto porque os Hititas começavam a ser seriamente atacados por diversos povos. Era a segunda e derradeira leva dos Povos do Mar que chegava ao Crescente Fértil. Talvez o avanço desses povos tenha se precipitado pela destruição do Mitani por Hatti durante o Período de Amarna, talvez por outros motivos, o fato é que vários povos, entre eles Assírios e Dórios avançavam agora com uma velocidade impressionante por sobre os antigos países do mundo. Estes povos, detentores da metalurgia do ferro, logo aprenderam a utilizar também os carros de guerra e, sendo assim, em pouco tempo se tornaram inimigos invencíveis para aqueles que haviam até então dominado o cenário do Mediterrâneo Oriental.


        
Ramsés II foi sucedido por Menerptah e este teve sérios problemas com a invasão do Delta de forças conjuntas dos Povos do Mar e dos Líbios (povo que há muito estava esquecido pelos Egípcios, mas que agora alcançara um nível evolutivo capaz de impor-lhe resistência). O novo Faraó foi vitorioso, contudo, talvez tenha sido obrigado a abandonar Pi-Ramsés (a capital construída por Ramsés II), voltando para Mênfis. Após sua morte diversos Faraós governaram em curtos períodos de tempo, dentre eles, o mais conhecido é Seti II. O Egito entrou num processo de desagregação interna e, como sempre, os Nomarcas se tornaram semi-independentes. Alguns indivíduos de origem Síria conseguiram posições de destaque dentro do cenário político Egípcio. E apenas o Clero de Amon conseguiu manter a unidade necessária para que a XX Dinastia pudesse emergir tendo, no entanto, apenas dois Faraós de relevância: Ramsés III e Ramsés IV. Esta Dinastia é usualmente incluída dentro do Novo Império por conta desses dois Faraós, mas, neste texto decidi incluí-la no período seguinte por conta de todos os outros oito.


 

         9.5 – Razões para a Desintegração do Novo Império:

 

         Comumente se diz que as invasões dos Povos do Mar agravadas pelo atraso tecnológico crônico no qual se encontrava o Egito foram os responsáveis pela desintegração do Novo Império, no entanto, uma nova teoria soa-me um pouco mais atraente do que a fórmula quase matemática de relacionar o declínio de um povo a invasões externas numa espécie de Darwinismo Social expandido, ou seja, a civilização mais adaptada sobrevive, a menos desaparece.


        
A que se saber que o governo de Ramsés II se voltou quase que unicamente para a exaltação da imagem do Faraó. É verdade que isso pode ter sido o suficiente para a construção de uma imagem internacional de invencibilidade daquele homem, o que explicaria (além da explicação óbvia do acaso) o fato de o Egito só ter vindo a ser atacado depois de sua morte, ou seja, quando os inimigos sentiram que não teriam mais a oposição de um Deus Vivo.


        
No entanto, esse aspecto do governo de Ramsés negligenciou praticamente todas as outras coisas e é certo que em seu governo os saques às tumbas Faraônicas, que já eram endêmicos há alguns anos, tenham se tornado uma constante quase incontrolável (talvez até por não haver interesse do próprio Faraó em controlar tais atitudes, visto que ele próprio cometia freqüentemente o crime de se expropriar da memória de Faraós anteriores roubando-lhe monumentos e estátuas). Certo, é realmente possível que os saques tenham se tornado uma constante quase incontrolável durante o governo de Ramsés, mas o que isso tem a ver com a derrota do Egito frente a seus invasores?


        
Bem, vejamos, os túmulos estavam abarrotados de tesouros como jóias, ouro e madeira. Esquecendo-se da madeira que apodrece e se torna imprestável depois de alguns anos, o ouro e as jóias eram importantes moedas de troca no comércio internacional. O Egito os utilizava para negociar com seus aliados e com seus vassalos. Era através do ouro que ele, e qualquer um, obtinha o estanho necessário à fundição do bronze, a madeira necessária à construção de carros e navios, gado, inclusive cavalos, que não eram muito abundantes no Egito e até mesmo mercenários, visto que os trabalhadores eram costumeiramente pagos em trigo e ungüentos, porém os mercenários (as infantarias Egípcias), grosso do exército do Faraó, eram pagos em peças de ouro.


        
Agora vejamos, se os túmulos eram recheados de riquezas e se estas riquezas eram saqueadas, para onde elas iam?


        
Para o mercado, entravam em circulação para enriquecer aqueles que as roubaram, certo?


        
Pois bem, até o indivíduo mais ignorante em economia já sabe que quanto mais dinheiro em circulação, mais caras ficam as coisas e quanto mais caras ficam as coisas, mais dinheiro se gasta para compra-la, o que leva a preços proibitivos e a uma potencial redução do poder de compra. Então, se a quantidade de ouro e pedras preciosas no mercado aumentou abruptamente durante o governo de Ramsés II, logo o poder de compra do Egito diminuiu, sendo assim, contratar mercenários, importar estanho, madeira, gado, cavalos, etc, ficou muito mais caro. Isso aliado ao tratado de paz assinado por Ramsés II e pelo Rei Hitita pode ter feito com que o Faraó, tão preocupado que estava em promover sua própria imagem, tenha abandonado também os investimentos nos exércitos, visto que acreditava que sua única ameaça seriam os Hititas e como este haviam se rendido (como Ramsés mandou escrever)...


        
A metalurgia do bronze não era muito desenvolvida no Egito, aliás, excetuando-se as armas e armaduras dos mais importantes oficiais do exército, as demais armas, armaduras e instrumentos eram ainda feitas de cobre, pedra, couro e madeira.


        
Quando as invasões Asiáticas bateram Hatti e adentraram o Egito, os corpos diminutos aliados à falta constante de produtos essenciais levaram o país à derrota e, sendo assim, ao final do Novo Império.


 

         9.6 – Práticas Funerárias no Novo Império:

 

         Não há muito o que acrescentar ao que já foi dito, os Faraós, a partir de Tutmés I, passaram a ser sepultados no Vale dos Reis, em túmulos escavados nas rochas como galerias. Estas eram abarrotadas de preciosos artigos como os descritos no item sobre a tumba de Tutankhamon, e depois seladas com a obstrução de seus túneis com o cascalho retirado pelos responsáveis pela escavação. Em muitos desses túmulos havia fossos e dispositivos de segurança, além de paredes falsas e até mesmo falsas câmaras mortuárias para dar a possíveis ladrões a impressão de que não havia muito o que roubar ou mesmo a de que outros ladrões já haviam estado lá antes deles. Porém, mesmo com toda essa segurança, apenas a tumba de Tutankhamon não foi saqueada e, por isso, se tornou a mais célebre da História Egípcia (para que se saiba, a tumba da mãe do Faraó Quéops também não foi saqueada, mas, por não se tratar da tumba de um Faraó, não tem o mesmo valor que a de Tutankhamon).


        
A principal mudança no que concerne às práticas funerárias não se refere aos enterramentos em si, mas ao pensamento da população.


        
O Livro dos Mortos que antes era visto como uma espécie de lembrete, sendo um compilado das regras a serem decoradas, agora, mais do que nunca, passara a ser uma receita mágica de entrada em Amentet. Uma espécie de ticket, sem o qual não haveria possibilidades de se ser salvo.


       
É claro que esta crença é de inteira responsabilidade do Clero de Amon. Como únicos responsáveis pela inscrição dos Livros dos Mortos, os Sacerdotes produziam-nos aos milhares, com preços e tipos para todos os bolsos, sendo assim, na medida em que pregavam a necessidade de seu uso, tratavam de garantir uma renda estável para os cofres do Templo, uma vez passados os períodos de expansão territorial que tantos dividendos traziam.


        
Essa mistificação de uma teologia tão bela e bem elaborada provocou um triste reducionismo abstrativo, quase uma superstição. O Amentet que antes era um mundo justo no qual só poderia entrar quem fosse puro de coração e houvesse cumprido seu papel na sociedade (pois, afinal, a função da Maat era garantir justamente isso, que todos cumprissem seus papéis na sociedade), tornara-se agora um grande estádio onde quem comprasse o ingresso teria direito a um assento. Mais um dos indícios de que a sociedade Egípcia se havia tornado uma sociedade materialista e não tão espiritualista como costumava ser.


        
No mais, quanto aos ubshabtis, é interessante ressaltar que nas tumbas do Período de Amarna, os ubshabtis não portavam instrumentos de trabalho como mandava a tradição, mas um cajado e um mangual (símbolos do poder só utilizados pelo Faraó), ou uma ankh (a Cruz Egípcia que simboliza a vida). Não se sabe o porque disso, mas é de se supor que também estivesse ligado à nova doutrina de Akhenaton. Talvez você trabalhasse em vida para o Sol (Aton na figura do Faraó), para que ele trabalhasse por você na sua pós-vida.

        


Continuação